Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88
Medplan - Confiança quando você mais precisa

Pesquisar no Medplan

Álbuns

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88
13.12.2013 - Confraternização Encaminhamento - Medplan
A turma do encaminhamento Vital, Standard e Master...

Veja Mais álbuns
Rir é o remédio


Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Clique aqui
Medplan / Atuação

Enquetes anteriores


Enquete

Internautas do Medplan opinam sobre a eutanásia



Eutanásia (do grego, "boa morte" ou "morte apropriada") é a prática pela qual se abrevia a vida de um enfermo incurável de maneira controlada e assistida por um especialista. Seja entre profissionais da saúde, entre amigos, na imprensa e nas conversas informais, a mesma tem sido motivos para muitas discussões e reflexões. O debate levanta aspectos pessoais, científicos, educacionais, religiosos, sociais e econômicos.

Nesse sentido, a eutanásia representa atualmente uma complicada questão de bioética e biodireito, pois enquanto o estado tem como princípio a proteção da vida dos seus cidadãos, existem aqueles que, devido ao seu estado precário de saúde, desejam dar um fim ao seu sofrimento antecipando a morte.

Em alguns países desenvolvidos, a eutanásia já é aprovada para alguns casos específicos. No entanto, seja ela legalizada ou não, é considerada como um assunto controverso, existindo sempre prós e contras. Para saber a opinião dos nossos internautas sobre o assunto, o portal Medplan lançou a seguinte enquete: “Países desenvolvidos como Bélgica, Holanda e Japão aprovam eutanásia para alguns casos específicos. E você, é a favor da eutanásia?”

A maior parte do público votante na enquete declarou ser contra a tal prática. Muitos são os argumentos daqueles que se apresentam de forma contrária, desde os religiosos, éticos até os políticos e sociais. Para 36,4% dos internautas que opinaram na enquete a resposta foi “Não, ninguém tem o direito de retirar uma vida”. Já para 15,2% o argumento para manter-se contrário está baseado em um misto de fé e esperança, uma vez que acreditam que a “descoberta de novos tratamentos pode reverter um quadro terminal”.

No entanto, há ainda uma grande quantidade de pessoas, aqui representadas por 30,3% da enquete, que opina de maneira favorável ao escolher “Sim, apenas em casos de estado terminal”. Para muitos que fazem parte desta parcela, a eutanásia representa um caminho para evitar a dor e o sofrimento de pacientes em fase terminal ou sem qualidade de vida.

Há ainda aqueles, 12,1% dos participantes, que defendem a eutanásia apenas mediante autorização da família. Certamente, para esta parcela, a eutanásia só pode ser pensada nos casos em que o paciente encontra-se em estado vegetativo, ou seja, sem respostas a quaisquer estímulos, mas que ainda não apresentaram quadro de morte cerebral. No Japão, por exemplo, já existem diretrizes aprovadas pela Associação Japonesa de Medicina Aguda neste sentido. Uma delas afirma que ação da eutanásia só será dada pelos médicos se o paciente tiver o apoio da família e, além disso, tiver expressado antecipadamente, por escrito, seu desejo de interromper o tratamento que o mantém vivo de forma artificial.

Por fim, representando uma minoria, 6,1% dos participantes defendem que “a morte digna é um direito humano”. Porém, vale ressaltar que os que se posicionam a favor da eutanásia não o fazem em defesa da morte, mas por interpretarem como uma escolha para diminuir dores e sofrimentos, físicos e psíquicos, considerados irreversíveis.

Diferenças

É importante esclarecer que a eutanásia pode ser dividida em dois grupos: a "eutanásia ativa" e a "eutanásia passiva".

A "eutanásia ativa" conta com o traçado de ações que têm por objetivo pôr término à vida, na medida em que é planeada e negociada entre o doente e o profissional que vai levar e a termo o ato.

A "eutanásia passiva" por sua vez, não provoca deliberadamente a morte, no entanto, com o passar do tempo, conjuntamente com a interrupção de todos e quaisquer cuidados médicos, farmacológicos ou outros, o doente acaba por falecer. São cessadas todas e quaisquer ações que tenham por fim prolongar a vida. Não há por isso um ato que provoque a morte (tal como na Eutanásia Ativa), mas também não há nenhum que a impeça (como na Distanásia).

É relevante distinguir eutanásia de "suicídio assistido", na medida em que na primeira é uma terceira pessoa que executa, e no segundo é o próprio doente que provoca a sua morte, ainda que para isso disponha da ajuda de terceiros.


Dayanne Holanda
Com informações do Wikipédia
07.04.08
Países desenvolvidos como Bélgica, Holanda e Japão aprovam eutanásia para alguns casos específicos. E você, é a favor da eutanásia?  

Sim, apenas em casos de estado terminal.
30.3 %
Sim, desde que haja autorização da família.
12.1 %
Sim, uma morte digna é um direito humano.
6.1 %
Não, ninguém tem o direito de retirar uma vida.
36.4 %
Não, pois a descoberta de novos tratamentos pode reverter um quadro terminal.
15.2 %

« Veja os resultados das outras enquetes


Fale com o Medplan : (86) 3131-8888 | medplan@medplan.com.br
Novos números: Atendimento 24h: (86) 3131-0700 Informações: (86) 3131-8888
© 2004-2018 | Medplan Assistência Médica| Todos os direitos reservados | Política de Privacidade | Expediente
Estatísticas: 1245959 Acessos