Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88
Profissões modernas - Medplan

Pesquisar no Medplan

Álbuns

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88
13.12.2013 - Confraternização Encaminhamento - Medplan
A turma do encaminhamento Vital, Standard e Master...

Veja Mais álbuns
Rir é o remédio


Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Clique aqui

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Deprecated: Function sql_regcase() is deprecated in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/conteudo.php on line 35
Imprensa / Artigos
26 de Janeiro de 2015 - Profissões

Profissões modernas

Como você se sentiria exercendo novas profissões como amante profissional, convidado de festa ou até mesmo sendo hóspede de hotel?


E imaginar que quando tudo começou só existia para os humanos uma profissão: caçador. Depois vieram os guerreiros, os curandeiros, os agricultores, os artesãos. Nos séculos seguintes mais e mais se diferenciaram os ofícios, as profissões, as divisões sociais do trabalho. Depois, com o surgimento do capital financeiro, da revolução industrial, da expansão urbana e do comércio em escala mundial seguiu-se uma explosão de profissões. Algumas delas são muito bizarras, mesmo para quem já não se surpreende com nada do que é humano. Vejamos: como você se sentiria exercendo uma das novas profissões abaixo?

HOSPEDE DE HOTÉIS. 

Bernard Tubianá é um jovem e elegante executivo parisiense de 32 anos, que passa quase todo o seu tempo a viajar. Ele trabalha para uma empresa francesa que presta serviços de consultoria para grandes grupos hoteleiros mundiais. Seu ofício é hospedar-se. Hospedar-se, gravar, filmar e anotar todas as suas vivências como hóspede. Logo na recepção do hotel no qual se hospeda ele começa a plantar sutis armadilhas: preenche dados incorretos na ficha de admissão, faz perguntas e questionamentos confusos e inconvenientes aos funcionários que o atendem, etc. Uma vez instalado no quarto, planta sujeiras nos cantos do aposento, troca a lâmpada da luminária por uma outra, que trouxe na bagagem e que está queimada e por aí vai. No dia seguinte desparafusa parcialmente uma das torneiras do banheiro para que passe a gotejar, faz ofertas inconvenientes às camareiras, liga tarde da noite para o restaurante fazendo pedidos de refeições em horários-limite... E tudo é gravado, filmado, anotado. Periodicamente ele sai do hotel e depois retoma para medir o tempo decorrido entre o "defeito" ou a "demanda" que criou e a solução espontânea do mesmo pelas equipes de manutenção e de serviços. A qualidade das refeições, a simpatia, a elegância, discrição e a presteza dos funcionários, o funcionamento dos equipamentos, o aroma dos diversos ambientes, a limpeza e a aparência das instalações... Enfim, tudo é discretamente analisado e anotado. Após dois ou três dias de trabalho (ou de lazer?) o Sr. Tubianá deixa o hotel, de modo tal discreto quando chegou, levando na bagagem um diagnóstico completo da real experiência de um hospede anônimo daquele hotel. Nos próximos dias um relatório completo, acompanhado por detalhadas planilhas e gráficos, será enviado à alta direção da empresa, pontuando cada virtude e cada não conformidade observada por ele naquela vivência. Na verdade o Sr. Bernard Tubianá faz parte da comunidade de uma nova categoria profissional. Ele é um "cliente espião".

AMANTE PROFISSIONAL:

Mitio Tanaka vive em Tóquio, está casado há 12 anos, mas não se sente mais feliz ao lado da sua esposa e deseja separar-se dela. Porém a Sra. Tanaka é uma mulher de gênio forte e pouco tolerante. Além disso ela parece bem satisfeita com a rotina vivida por ela e seu gentil esposo. Acontece que o Sr. Mitio está apaixonado, muito apaixonado, por uma das suas colegas de trabalho e deseja viver com ela. Mas, o que fazer para realizar esse sonho sem ter que enfrentar a furiosa reação que o temperamento mercurial da sua esposa provocará? Mitio, apesar de inquietação causada por aquela indefinição, esperou que o tempo lhe trouxesse alguma luz. E ela chegou, enquanto tomava alguns sakês com um colega de trabalho. O amigo lhe falou de uma empresa muito discreta e eficiente, chamada "Lírio da Paz". Através dessa providencial, discreta e criativa entidade será possível, disse-lhe o colega, contratar os serviços de um amante profissional. Logo na primeira consulta mantida com o agente da "Lírios da Paz", entornando "sakês" naquele mesmo bar, Mitio deu-se conta de que, apesar dos altos honorários cobrados e da não garantia absoluta de sucesso da empreitada proposta, ali estava o sonhado remédio para o definitivo alívio do seu grande sofrer. Tudo lhe foi pedido pelo consultor, com respeito à sua esposa: fotos, preferências culturais, hábitos, locais que costuma frequentar, etc. Alguns dias depois a operação foi disparada: a Sra. Tanaka, nos seus 36 anos, começou a ser sutilmente assediada por um instrutor de artes marciais de 33 anos, após um encontro "casual" no metrô. No início a Sra. Tanaka resistiu e até se irritou com aquele assédio. Mas não há quem resista muito tempo ao trabalho perseverante e aplicado de um especialista: sorrisos, gentilezas, flores, poemas, presentes e elogios... Agora, o que faltava em casa lhe sobrava na rua. Entre aceitar o passeio no parque e o abraço amoroso, o tempo não foi longo. E mais breve ainda foi o tempo levado para que o caloroso temperamento daquela apaixonada amante lhe apontasse que uma nova juventude se abriria se o seu modorrento matrimônio chegasse ao fim. Ah, a liberdade! Para conquistá-la a Sra. Tanaka faria qualquer acordo, abriria mão de qualquer exigência apresentada por seu desprezado marido. Aquecida pelas chamas da sua paixão ela não tardou a abordar o marido, propondo uma separação consensual, civilizada, respeitosa. Afinal, ponderou ela, nada os impedia de continuarem amigos... Enorme e aliviante, foi sua surpresa ao receber a imediata aceitação do marido à proposta apresentada. Aliás, por um instante ela teve a impressão de que os olhinhos do marido brilhavam, alegres e aliviados.

Dali a alguns dias a separação foi oficializada e cada um seguiu a vida, em busca da realização dos sonhos de felicidade e paz ao lado dos seus novos amores. A "Lírios da Paz" vende falsos amores, que servem aos propósitos de maridos falsos.

CONVIDADOS DE FESTAS.

Nos países desenvolvidos o desafio demográfico tem apresentado problemas nunca visto pela humanidade: a taxa de mortalidade é muito baixa. No Japão tal questão assume proporções preocupantes, pois a expectativa de vida da população é de oitenta anos, já existindo uma comunidade de cinquenta e quatro mil pessoas com idade superior a cem anos! Japoneses: as demandas existenciais e culturais desse povo, que fabricou as mais antigas ferramentas conhecidas - artefatos de pedra datados de 30.000 anos - assim como sofisticados monumentos construídos há 11.000 anos são diferenciadas. Por consequência tipos exóticos de necessidades têm provocado o surgimento de empresas que prestam serviços inimagináveis em outras culturas.

O Sr. Takeshi mora sozinho, e embora já tenha chegado aos 86 anos, mantém muito da agilidade física e mental que possuía quando era engenheiro de projetos de equipamentos médicos da Shimadzu. Sua esposa faleceu há três anos e seus dois filhos moram em cidades distantes. Assim, o aniversário de 87 anos do Sr. Takeshi está se aproximando e ele não deseja passar pela mesma experiência de solidão do ano anterior, quando a única visita de aniversário que recebeu foi de uma assistente social, que lhe falou, então, de uma empresa especializada em promover festas de aniversário muito especiais para idosos, nas quais ele poderia convidar amigos e parentes queridos, mesmo que os mesmos já não estivessem mais vivos!! O Sr. Takeshi localizou o cartão de visitas deixado pela assistente social e através dela ligou para a tal empresa, que por sua vez agendou visita de um dos seus representantes. Na data e hora marcados o Sr. Takeshi recebeu em casa a visita de um casal de executivos muito simpáticos, que lhe deram toda a atenção e fizeram várias perguntas acerca do passado, miraram seus álbuns de fotos, leram e releram cartas trocadas com amigos, além de anotarem detalhes acerca de suas viagens de negócios e de lazer. Explicaram-lhe também os custos que teria que suportar para financiar a animada festa de aniversário no qual se reencontraria com os amigos e colegas de trabalho dos quais mais sentia falta nos dias atuais. Acertados os detalhes financeiros e a forma de financiamento do evento, o foco dos organizadores da festa se concentrou na coleta de informações detalhadas acerca dos convidados escolhidos para a festa: fotos, gravações de depoimentos e antigos endereços de cada um deles foram obtidos do Sr. Takeshi.

Até que, depois de 2 meses de intensos preparativos chegou a grande data, e assim, no início da noite de um chuvoso dia de semana um curioso e bem trajado aniversariante recebeu em sua casa 5 animados convidados. O primeiro a chegar foi um amigo que conheceu numa viagem ao Brasil, para acompanhar a instalação de um dos primeiros aparelhos de tomografia do país. Eles se conheceram semanas antes do carnaval e a conversa se iniciou pelas recordações que o Sr. Takeshi guardava daquela festa que nunca imaginara existir e na qual mergulhara, na companhia do amigo brasileiro, filho de japoneses. Logo em seguida foi o momento do reencontro com sua colega de trabalho por 30 anos, a Sra. Outra, com a qual divertiu-se muito recordando as trapalhadas do "Sr. Tartaruga", chefe cuja maior distração era exigir relatórios detalhados de todos os membros da equipe.

Depois chegou a vez de recordar a infância e adolescência, vividas nas praias e no mar de Nagoya, pescando robalos com o pai e o primo que agora o visitava, 70 anos depois.

Enfim, foi maravilhosa e inesquecível aquela experiência de um aniversário muito animado, que terminou após a meia noite, na companhia de amigos tão queridos. Tão perfeitamente deu-se tudo que, no final da festa, ao se despedir dos convidados, ficou-lhe, ao Sr. Takeshi, a vivida impressão de ter reencontrado aquelas pessoas do seu passado. Embora tendo consciência de que, na verdade, tudo não passara de uma encenação quase perfeita, conduzida por atores contratados. Aquela quase perfeição de tudo aquilo que é feito no Japão.

TERAPEUTAS DO ACONCHEGO.

Você está carente, necessitando de carinhos? Pois contrate Kilberly. Por R $ 160 por hora, ou até R$ 800 por uma sessão durante toda a noite, essa mãe de três filhos e 33 anos de idade veste pijamas de flanela, esconde as fotos de família e e convida os clientes a entrar em seu quarto, em Highland, Nova York, para dormirem a abraçadinhos, em "conchinha". Ela garante que o aconchego começa, e continua, estritamente platônico.

O negócio de “aconchego” de aluguel está deslanchando nos Estados Unidos. Milhares de clientes por todo o país estão marcando consultas com aconchegadores profissionais em pelo menos 16 estados americanos.

Tanto clientes quanto aconchegadores, é preciso deixar claro, permanecem vestidos o tempo todo. O aconchegador aperta, faz cócegas e abraça os clientes por uma tarifa fixa. Quem contratou os serviços por mera curiosidade diz que foram cativados pelos seus benefícios terapêuticos. 

“Eu me converti”, diz Melissa Duclos-Yourdon, de 35 anos, uma escritora e editora freelance de Vancouver, no Estado de Washington. Ela contratou um aconchegador depois de ouvir frequentadores do seu clube de leitura comentarem a respeito. A princípio, a esperança dela era que a experiência fornecesse material para um texto literário. Uma vez aconchegada, “eu me senti transformada”, diz ela.

Embora aconchegadores existam há muito tempo, o interesse está aumentando graças a novos aplicativos on-line e serviços de encontros. Uma convenção de aconchegadores está sendo planejada.

Um aplicativo grátis, o Cuddlr, foi lançado em setembro e já foi baixado cerca de 240 mil de vezes, segundo Charlie Williams, fundador e desenvolvedor do app, que permite que usuários encontrem pessoas nas redondezas para se aconchegar com elas. Entre 7 mil e 10 mil pessoas usam o serviço diariamente, diz ele. O slogan da empresa é: “Você já quis só um abraço?”

O site Cuddle Comfort (algo como Conforto no Aconchego, em tradução livre) fornece um serviço onde os membros podem postar fotos, perfis e encontrar outros interessados em aconchegos não sexuais. O site grátis tem agora cerca de 18 mil membros, diz o fundador, Mark Sanger. Entre as discussões recentes no site está essa: “Quais são os melhores gêneros de filme para se aconchegar?”

Nem todo mundo se sente aquecido e inebriado por um abraço de aluguel. Quando Jacqueline Samuel, de 31 anos, abriu sua empresa na pousada de sua família em Rochester, no Estado de Nova York, os vizinhos se preocuparam com a possibilidade de o negócio atrair clientes mal intencionados. Cerca de dois anos atrás, ela mudou o negócio para uma área comercial de Rochester. A empresa, chamada The Snuggery (algo como Retiro Aconchegante, em tradução livre), agora cobra R$ 110 por uma sessão de 45 minutos ou R$ 900 por uma noite toda.

As autoridades policiais contatadas em meia dúzia de cidades onde existem empresas de aconchegos disseram que não receberam reclamações e que as empresas parecem estar operando dentro da lei.

Ao contrário de massoterapeutas, que normalmente realizam treinamento específico e precisam de licenças, os aconchegadores não são licenciados. A fiscalização é feita de acordo com leis e regulamentos locais.

A natureza nebulosa do negócio de aconchego por demanda — parte massoterapia, parte psicologia clínica — pode levar clientes a se decepcionarem ou fazerem pedidos não convencionais, dizem profissionais do abraço. Uma aconchegadora profissional negou a solicitação de um cliente para que usasse uma roupa colada à pele. Outro cliente queria dormir de conchinha trajando o seu terno.

“Tive uma cliente que queria que eu passasse a sessão inteira fazendo cócegas”, diz Travis Sigley, 27 anos, aconchegador profissional de San Francisco.

O negócio de “aconchego” por demanda se originou há pelo menos cinco anos nos EUA, segundo empresários do setor, que dizem que Sigley foi um pioneiro. O ex-estudante de psicologia, que tem cabelos longos e já trabalhou como stripper, diz que abriu sua empresa, a Cuddle Therapy (Terapia do Aconchego), porque se sentiu frustrado pelas restrições a terapeutas e clientes se tocarem. Desde então, dezenas de aconchegadores profissionais já abriram sua empresa ou foram contratados para trabalhar por empresários que atuam na internet. Algumas empresas exigem que os clientes assinem um contrato que estipula que tipos de carícias são permitidos. Alguns possuem até um desenho corporal com áreas proibidas assinaladas em vermelho.

“Posso afirmar que alguns ficam desapontados porque tudo que eles conseguem é, no máximo, um abraço, mas é assim que funciona”, diz Becky Rodrigues, de 34 anos. Ela trabalha para a The Snuggle Buddies LLC (Os Amigos do Aconchego), um serviço on-line que opera em 15 estados americanos. Ela aconchega os clientes numa cama atrás de uma tela privativa no porão de sua casa, em Phoenixville, no Estado da Pensilvânia. Os contratos também exigem que os clientes tomem banho e escove os dentes antes das sessões.

Pesquisas mostram que existem benefícios físicos e emocionais tangíveis provocados pelo toque. Ele pode elevar os níveis de ocitocina, um hormônio de ligação produzido pelo hipotálamo que promove sentimentos agradáveis. O toque pode reduzir o batimento cardíaco e aliviar o estresse, segundo pesquisas acadêmicas.

Muitos aconchegadores profissionais praticam seus serviços seguindo um livro chamado “The Cuddle Sutra” (O Sutra do Aconchego), que oferece descrições detalhadas de vários tipos de abraço, como o “Vem com o papai” ou “Sardinhas”.


Autor: José Cerqueira Dantas
Edição: A.R


Notícias Relacionadas:
Fale com o Medplan : (86) 3131-8888 | medplan@medplan.com.br
Novos números: Atendimento 24h: (86) 3131-0700 Informações: (86) 3131-8888
© 2004-2018 | Medplan Assistência Médica| Todos os direitos reservados | Política de Privacidade | Expediente
Estatísticas: 1216644 Acessos