Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88
Sérgio Galan: um homem e sua câmera - Medplan

Pesquisar no Medplan

Álbuns

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88
13.12.2013 - Confraternização Encaminhamento - Medplan
A turma do encaminhamento Vital, Standard e Master...

Veja Mais álbuns
Rir é o remédio


Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Clique aqui

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Strict Standards: Non-static method Loader::import() should not be called statically in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/loader.php on line 88

Deprecated: Function sql_regcase() is deprecated in /home/medplan/public_html/arquivo.medplan.com.br/conteudo.php on line 35
Imprensa / Retrato 3x4 de uma pessoa 100x100
15 de Abril de 2008 - Entrevista

Sérgio Galan: um homem e sua câmera

Hoje em dia, ter uma câmera de filmagem é coisa comum. Mas quando Sérgio Galan começou a trabalhar com produção audiovisual, sua câmera era uma das poucas que existiam em Teresina.


Hoje em dia, ter uma câmera de filmagem é coisa comum. Elas estão acopladas nos celulares, nos computadores e até nas paredes de supermercados e farmácias. Mas quando Sérgio Galan começou a trabalhar com produção audiovisual, sua câmera era uma das poucas que existiam em Teresina e ele o único a prestar serviços de filmagens para festas e eventos.

Esta história tem início no ano de 1979, quando Sérgio, então estudante de mestrado nos Estados Unidos, na área de educação física, comprou sua primeira câmera e a trouxe para Teresina.  A máquina era apenas para satisfação de sua curiosidade, já que sempre fora muito ligado em inovações tecnológicas. Viajando novamente para os EUA, desta vez por conta de um doutorado, ele adquiriu um novo modelo e ao retornar para sua terra, percebeu que a câmera poderia ser mais do que apenas diversão.

“Quando eu voltei do doutorado, em 1984, foi que percebi que tinha mercado para filmagem por aqui. Comecei a fazer de uma forma mais amadora, gravando festas e eventos. No início eu mesmo filmava, mas depois fui contratando gente e gerenciando o negócio”, recorda Sérgio, que hoje é dono da Galan Vídeos, que atua no desenvolvimento de peças publicitárias televisivas, videobiografias e filmagens em geral.

As filmagens realizadas por Sérgio Galan fizeram sucesso na década de 1980. Naquela época, bem distante dos youtubes e celulares de hoje em dia, as pessoas não estavam acostumadas a se assistirem em uma gravação. “Era legal porque era uma coisa nova, todo mundo ficava grudado. Em Teresina já era assim, quando a gente ia pro interior o pessoal ficava louco”, relembra o entrevistado.

Depois de um início solitário, o empresário começou a conviver com a concorrência. Para se destacar, resolveu inovar, e trouxe o primeiro telão com projetor para a cidade. “Em 1992 eu comprei o primeiro telão que teve aqui em Teresina. Nossa! A gente colocava em uma praça, com o projetor, em algum evento do governo ou prefeitura, ligávamos a câmera ao vivo e as pessoas ficavam se vendo no telão. Enchia a praça”. 

Com o grande boom tecnológico, a maioria das pessoas já se acostumou com as gravações e com a própria imagem em um telão. Mas Sérgio não perdeu o encantamento pelo seu trabalho. Nossa equipe encontrou o empresário em um restaurante para um bate-papo. Nesta entrevista, ele fala um pouco sobre as evoluções na área de audiovisual e sobre como é trabalhar com publicidade em um mercado complicado como o piauiense. Confira!


Hoje em dia, com a evolução tecnológica, ficou muito mais fácil filmar. Qualquer um pega um câmera e faz uma gravação. Você acha que isto é positivo ou é um saudosista dos tempos em que este trabalho exigia maior técnica do cinegrafista?

É verdade que, hoje, as câmeras praticamente filmam sozinha, elas estabilizam a imagem, tiram a tremedeira, regulam a quantidade de luz, quase não precisamos mais de luz extra, a própria câmera corrige a iluminação. Eu acho isto ótimo! Quanto mais tecnologia existir melhor. Quanto mais pessoas entenderem o que está sendo feito, é

"Quanto mais tecnologia existir melhor"

melhor para quem é profissional. Quem trabalha nessa área é um pouco técnico e um pouco artista. Você gosta daquilo que você faz, você faz por dinheiro, mas também faz pelo aplauso. Só o aplauso não te sustenta e só o dinheiro também não te sustenta. E para você ter os dois, acho que as pessoas precisam entender como aquilo é feito. Como aquilo é produzido.

Que tipo de trabalho você mais gosta de fazer na sua produtora?

Tudo é divertido fazer. Mas, atualmente, o que mais me dá paixão é fazer biografia. Adoro histórias, acho até que poderia ter sido professor de história. Na produtora, nós fazemos muitas videobiografias, não só de pessoas, mas também de empresas. Me dá uma paixão danada fazer a pesquisa, escrever o texto da biografia. E acredito que isto é importante. É chato quando a pessoa não tem sua história registrada. Uma fotografia, um registro de sua vida.

Como se dá o processo de produção dessas videobiografias?

Tudo depende do orçamento que você tem para trabalhar. Na maioria das vezes fazemos uma conversa com o biografado ou, quando é surpresa, conversamos com quem está contratando, com alguém da família, um amigo pessoal e um colega da profissão. E assim você já consegue montar uma estrutura. Até o último prazo que temos disponível para fechar o trabalho, vamos buscando material. Quando temos um prazo mais esticado, mais informações são colocadas na cinebiografia. Tem todo um trabalho de pesquisa, quando não existem fotos daquela pessoa em um determinado momento, vamos na busca de imagens da época, para fazer um contexto histórico.

Como você enxerga o atual mercado audiovisual em Teresina?

Melhorou bastante. De uns sete anos pra cá, muitas faculdades de publicidade e jornalismo surgiram na cidade.  Nós sabemos que apenas 5% dos profissionais que se formam realmente se dedicam à profissão, a maioria segue outra área ou não se dedica totalmente, mas estes 5% estão fazendo um trabalho legal, estão com boas idéias.
 
Mas o que atrapalha muito numa cidade como Teresina é o mercado financeiro, que é muito pequeno ainda. Você não tem o orçamento para fazer aquilo que você gostaria de fazer. Teresina tem um problema de mercado também em que tudo é decidido em cima da hora. Quando me dão um prazo de duas semanas, eu já fico feliz da vida. Ninguém faz um planejamento.

A cidade também não tem grandes escolas de teatro para atender à publicidade.

Como vocês fazem para contratar atores?

Minha produtora mesmo não costuma trabalhar com atores. Porque é complicado. Não é nem caro, é até barato. Mas aqui em Teresina faltam atores para tudo. Na publicidade você tem que ter atores para todas as situações: crianças, jovens, idosos. Mas por aqui, é comum você ver uma propaganda de Dia das Mães e ter uma menina de 22 anos fazendo o papel da mãe. Claro que uma pessoa de 22 anos pode ser mãe, mas na propaganda, isso não convence, não passa a mensagem clara. Nós até temos uns 10, 15 bons atores, mas para a publicidade não compensa muito, porque este mesmo ator vai ter que vender roupa, carro, abobrinha. A mesma pessoa vincula a imagem a muitos produtos.

Você já chegou a desenvolver algum trabalho de ficção para cinema?

Nunca fiz ficção. Mas teria vontade de fazer cinema, documentário. Aqui em Teresina acho que tem um pólo de cinema legal que está se desenvolvendo. Tem uma qualidade surpreendente para filmes amadores. É claro que você não pode comparar com superproduções. Mas são filmes muito bons. A ABD (Associação Brasileira de Documentaristas) também chegou trazendo cursos de vídeos, gente nova. Isto é muito bom.

Seu interesse por filmagem veio também de um interesse por cinema?

Eu adoro filmes! Da primeira vez eu assisto ao filme pelo espetáculo, para ver a trama e a técnica. Quando eu assisto pela segunda vez, quero encontrar a mensagem do filme. Têm filmes em que dá para fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Os filmes hollywoodianos não têm quase nenhuma mensagem, mas têm muita técnica.

Você puxa idéias dos filmes para seu trabalho?

Demais.  Se você quer se dar bem na sua carreira, tem que estar com suas antenas 24h

Equipe do Medplan em bate papo com o entrevistado

Equipe do Medplan em bate papo com o entrevistado

por dia sintonizadas no seu trabalho. Se você está sintonizado, você assiste a um filme água com açúcar, de socos e pontapés, e você consegue tirar uma idéia para aplicar no seu trabalho e ganhar dinheiro.

Porque você só ganha dinheiro quando é pioneiro, aquilo que você inventa, em pouco tempo já será copiado por diversas pessoas. Então a briga já será por preço e quando a briga é por preço o negócio já perde demais. Aqui em Teresina o cara abre uma barraquinha de caipirinha, de repente, no dia seguinte, têm várias pessoas vendendo caipirinha. Em pouco tempo, todos estão quebrados. Então, tudo que você fizer na vida você tem que estar antenado, para ser o destaque, fazer o novo.

Você ainda se dedica à Educação Física?

Sou professor da UFPI. E de uns anos para cá eu tenho trabalhado com os estudantes do ultimo período, falando sobre formação profissional e desenvolvimento de mercado. A universidade tem um currículo muito solto, quando chega no final você fica meio perdido, então o trabalho que nós estamos fazendo lá é juntar o conhecimento com as oportunidades no mercado. Explicar como cada disciplina pode ser utilizada no mercado de trabalho, o que dificilmente é feito pelo professor em sala de aula.

E como você fez para se projetar no mercado de Teresina?

Quando você esta fazendo um trabalho, você tem que saber fazer do serviço mais leve ao serviço mais pesado, você tem que conhecer todo o processo, saber como começa e termina. O marketing pessoal faz parte disso também. No meu caso, não tive muita dificuldade de projeção, porque eu era o único quando comecei.

E quando apareceu a concorrência?

Concorrência é ruim de todo jeito. Mas aí você tem que fazer coisas diferentes. Agregar novos serviços. E, também, trabalhar, se você precisar você tem que trabalhar 24h por dia. Em todas as etapas da produção.

 

Ficha Técnica

Galan Vídeo
Telefone: (86) 3233-1396
Endereço: Rua Prof. Darcy Araújo, 2377, São Cristovão

 

Entrevista: Allisson Bacelar, Clarissa Poty, Dayanne Holanda e Fábio Carvalho
Texto: Clarissa Poty
15.04.2008


Veja mais
Fale com o Medplan : (86) 3131-8888 | medplan@medplan.com.br
Novos números: Atendimento 24h: (86) 3131-0700 Informações: (86) 3131-8888
© 2004-2018 | Medplan Assistência Médica| Todos os direitos reservados | Política de Privacidade | Expediente
Estatísticas: 1212427 Acessos